Total Physical Response and Silent way Aula de 01 de abril

[Posted by Ana Luiza]
II alternative approaches and methods

O espaço de tempo entre as décadas de 70 e 80 foi marcado por uma intensa reviravolta nos pressupostos da criação de um método satisfatório (e por que não dizer “perfeito”) para o ensino de línguas estrangeiras. O que vincula neste período como teoria base é a abordagem audiolingual, cuja filosofia salienta a aquisição de línguas estrangeiras de maneira mais rápida que a média através da exaustiva repetição de conteúdo estrutural trazendo ao estudante um conceito aprendizagem associada ao condicionamento (behaviorismo).
É simples concluir que este intervalo histórico pode ser pensado como uma época de experiências, muitas delas inusitadas, mas que tentavam chegar a um resultado eficaz para aluno e professor. O ato de comunicar-se em uma língua estrangeira passou a ser o foco e transformar a sala de aula em um ambiente simulador era imprescindível na aprendizagem genuína da nova língua. Começam a surgir doutrinas baseada no pressuposto de “communicative movement” que mais tarde mantém ligação com as abordagens comunicativas atuais.
Esse momento, por assim dizer, “desnorteado” em matéria de teses mais concretas na aprendizagem de idiomas leva alguns lingüistas a criarem métodos alternativos, partindo do próprio ponto de vista de muitos desses teóricos para diferentes direções e resultados. Entre esses métodos inovadores estão; Total Physical Response, Silent Way, Counseling Learning, Suggestopedia, e Multiple Intelligences, todos nascidos nos anos 70 e marcados pelas diferentes roupagens da mesma visão de língua e por suas características revolucionárias. A despeito de outros métodos como Lexical Approach, Whole Language, Neurolinguistic Programming e Multiple Intelligences os primeiros citados constituíram dimensões particulares da importância do processo de ensino/aprendizagem.

· TOTAL PHYSICAL RESPONSE

Desenvolvido por James Asher, professor de psicologia na Universidade Estadual de San Jose, Califórnia, inspirou-se nas teorias de Harold e Dorothy Palmer (1925), que construíram um conceito de método baseado na combinação do desenvolvimento oral da língua estrangeira com ações físicas que no futuro, também através de um processo de condicionamento, seriam livremente associadas às estruturas ensinadas. Asher apóia-se no exemplo da aquisição da língua pelas crianças que funciona através de comandos e, portanto respondem a estímulos visuais das ações antes de começarem a formular suas próprias sentenças. Assim, esse, mesmo processo deverá ser repetido em sala de aula.

APPROACH

· Teoria de língua: A língua no TPR e indissociável da questão corporal. O uso do verbo no imperativo busca a criação de uma ação física correspondente que passará a ser no futuro a base para o aluno em níveis iniciais. A gramática é apresentada de maneira indutiva e a estrutura da língua é primordialmente apoiada em ações.

· Teoria da aprendizagem: O processo de aprendizagem do Total Physical Response baseia-se no estimulo – resposta . O aprendizado deve ser o mais natural possível a ponto de o estudante esquecer que está aprendendo uma língua. O lúdico e a repetição desempenham papel importante nessa abordagem.

DESIGN

· Objetivo: Chegar ao máximo de proficiência básica por meio dos comandos automatizados.
· Syllabus/ Currículo: Usar gradualmente os comandos ligados ao ensino do vocabulário e provocar a movimentação do aluno.
· Atividades: Exercícios combinados com os comandos.

· Papel do aluno: internalizar e corresponder aos comandos ensinados.

· Papel do professor: O professor desempenha uma função autoritária em sala já que busca o entendimento do conteúdo pelo uso de ordens.

· Função dos Materiais: Os materiais buscam consolidar os comandos na combinação de gramática e vocabulário.

PROCEDURES

Como o TPR é um método pensado para níveis iniciais, o professor deverá construir um ciclo na aprendizagem; Professor apresenta o comando por meio, é claro, de linguagem corporal, então, ao obedecer a ordem o aluno internaliza a linguagem e passa a utilizar os mesmos comandos para com seus colegas. Depois do êxito desse processo o ciclo se renova com a apresentação de um novo comando.

O Total Physical Response teve grande popularidade nos anos 70 e 80, pois enfatiza a função da compreensão da segunda língua, no condicionamento das estruturas, que na visão de James Asher constituía um aprendizado sólido e que deveria ser relacionado com outras técnicas de ensino vigentes na época.

SILENT WAY

Este método partiu da premissa de que o professor de uma língua estrangeira deveria permanecer o máximo de tempo em silêncio durante a aula para criar assim um ambiente propenso às descobertas do aluno em termos de linguagem. Esse silêncio funcionaria como uma alavanca propulsora para a produção oral e o conhecimento fluiria de maneira natural em sala de aula. Criado por Caleb Gattegno, o Silent Way trás um pouco da experiência de Gattegno como designer de métodos educacionais de ensino de leitura e matemática. Para ele, o aprendizado é facilitado se o aluno invés de repetir e memorizar aprende a “descobrir” a língua e criar dentro dela. O uso de objetos de apoio também se faz indispensável para aquisição do vocabulário. Portanto, o aprendizado ligado as descobertas traria um crescimento das habilidades intelectuais e como no TPR, um conhecimento duradouro. Acreditava-se que a resolução de problemas aproximava o aluno do aprendizado. Gattegno inspirou-se na máxima de Benjamim Franklin:

“Tell me and I forget,
teach me and I remember,
involve me and I learn.”

APPROACH

· Teoria de língua: A língua deve ser apresentada primordialmente por sua gramática e o vocabulário é uma dimensão essencial na aprendizagem. Também parte-se do pressuposto de que a línguas são diferentes e o estudante deve entrar no “espírito” da língua.

· Teoria de aprendizagem: O aprendizado deve ter a função de trazer reflexão sobre a língua, sem qualquer influência do professor. O aluno é o centro da aula e para adquirir conhecimento é preciso aprender a aprender a língua.

DESIGN
· Objetivos: Aquisição de fluência para níveis iniciantes, conhecimento de pronúncia e prosódia.

· Syllabus/ Currículo: As estruturas ensinadas são organizadas gradualmente e a gramática abordada de maneira indutiva.
· Atividades: Com uso do material de apoio áudio visual, as aulas iniciais são marcadas pela apresentação das unidades fonéticas da língua.

· Papel do aluno: O aluno é o centro da aula, portanto o processo de aquisição do novo idioma representa também um processo de crescimento pessoal. O estudante é convidado a se tornar descobridor do conteúdo e construir suas próprias reflexões acerca da língua.

· Papel do professor: O antes autoritário e fundamental professor (Audiolingual e TPR, passa a desempenhar uma função quase invisível de mediador da aula sem poder interferir, ou interferir o mínimo possível, com processo de reflexão de seus estudantes. O professor, portanto, deve ser passivo e, é claro, silencioso.

· Função dos Materiais: Os materiais usados como os roads (bastões coloridos), flash cards e outros objetos de mediação buscam fazer um apoio de substituição do professor.

PROCEDURES

Trabalha-se a pronuncia até a exaustão no início e no decorrer do curso o vocabulário e expressões são apresentados gradualmente sem a participação do professor. Todo o processo d ensino se dá de maneira indireta.

O Silent Way trás alguns diferenciais para época em que foi criado; É um dos métodos pioneiros na organização da aula com foco no aluno e desloca papel central do professor, que passa a exercer função indireta. O professor é fortemente incitado a trabalhar com a responsabilidade de administrar a aula monitorando as performances de seus alunos. O método ainda inova na questão de material utilizado, já que este constitui uma ponte entre professor e aluno no Silent Way. Importantes princípios a se salientar no Silent Way são as questões da pronúncia perfeita e da ênfase na repetição, que se fazem presentes em todo o ciclo.

Almas presentes em  preto, ausentes em cinza: Adrienne, Ana Luiza, Ana Patricia, Andrea, Anne, Bernardo, Bruna, Edison, Fabrini, Gisele, Iana, Igor, Izabela, Jonatas, Joyce, Julianna, Ketuly, Laila, Livia, Lucia, Milton, Priscila,  Rhadyja, Shanay, Stefanie, Suelem.

~ por laiazevedo em abril 9, 2009.

3 Respostas to “Total Physical Response and Silent way Aula de 01 de abril”

  1. Foi feito pela Ana Luiza

  2. TPR classic example: “Gisele, hug the teacher”…

    hahahahahahahahahahahahah……..

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: